19 de dez de 2016

Poema



Afasia

Não é o fim do mundo pra gente
Um dia pode ser melhor
Um dia você pode querer ficar comigo
Ou pode resolver não ficar mesmo

Eu tô tentando não ter mais pressa de nada
Eu já tive tanta e tanta coisa deu errado
Tanta coisa se dissolveu e me deixou triste
Pensando que é errado ser ingênua
E acreditar no amor

Não é o fim do mundo pra gente
Pode ser só o começo
De caminhos separados
Seguidos em frente
Sem eu te pedir
Não olha pra trás!

- Não olha!

Eu disse me despedindo
E sentindo que aquela era a última vez
Que eu tinha seu peito colado no meu
A última vez que meu coração de louça
Usava seu ralador de pia
A última vez que eu era a mulher
Singela e fria
Esperando você usar

A última infiel folia
Esperando o carnaval chegar

.

(Romulo Chaul) 

14 de dez de 2016

Poema


Rogativa

Vem aqui ser meu um tico
Só um cadim?
Deixa eu mirar esses teus olhos
De Jabuticaba gigante
E essa boca gostosa

Deixa eu ser verso e prosa
E te ganhar devagarim

Chega de mansim
E se aninha no peito
Se aprochegue
E me deixa sem jeito
Lançando minhas pernas
Nas suas costas
E te fazendo ouvir
Meu gemido

Deixa eu te mostrar
Que meu umbigo
Também é lar
E te fotografar
Na memória

Vem fazer do seu poema
Morada faceira
Da minha história

.
(Romulo Chaul)

19 de out de 2016

Poema

Ressalva

É muito cedo pra ponto final
É muito cedo pra ter certeza
Nem me lembro direito
Em qual rua eu te vi pela primeira vez
Nem quando foi que topei seu olhar

Você me despertava uma certa curiosidade
Toda vez que eu te pegava olhando pra mim
Despindo minha alma
E me chamando pelo nome

Antes mesmo da gente se conhecer
A minha inquietude e sua explosão
Já reclamavam de fome

Eu, espírito puro
Pura candura, fingindo mal
Mentira na cara dura
Eu, você, vinho:
- Perigo Mortal

E ainda sim, me desvenda
E entende direitinho
Meu lado reservado
Segurando o turbilhão
De apenas ser

Calada, porque sinto demais.
Quieta, tentando entender.

Gosto de lembrar do jeito que me olhava
Mesmo sabendo que as pessoas não gostam
De quem sente demais.
Você desvendou meu coração de louça
Se aproximando de fininho

E agora, depois de tudo
Sussurro ao pé do ouvido:

 - Queria que você visse meu sorrisinho.

.
(Romulo Chaul)

4 de out de 2016

Poema




Conversa

E tudo veio à tona:
Meios sentimentos retidos a sete chaves
Brotaram no meio daquilo
Que deveria ser libertação

E de tudo mais
Nem o pó sobrou

Os ovos, pisados em panos quentes
Estouraram a verdade de jeito
Escancarando defeitos e planos
E a necessidade de se achar

(Seja pra qual for o efeito)
Não é preciso ter alguém a se culpar

E quando o que se anula
Bate de frente com o que busca
A todo custo se conhecer
É mais fácil saber qual dos dois
Anda mais perdido

Qual dos dois anda mais descalço
Qual anda mais ferido

Pelo seu olhar
Me vi relegado ao vento
Feito trapo velho
No chão, despedaçado

E tido como tolo
Repito o mantra:
“Os amores mais bonitos são
Aqueles que nunca foram usados”

.
(Romulo Chaul)

27 de set de 2016

Poema



Reposicionamento

Esse não é um daqueles poemas
Que se vomita bêbado
Às 4 da manhã
Com uma pitada de carinho
E um quarto de solidão

Esse poema é um ódio destilado
Que escrevo
Pra evitar te dar um murro
Quando te ver

Esse poema doí

Mais doí mais em mim,
Do que em você

É a prova do saco cheio
Do amor estropiado
E da graça, desgraça
Que enfeitou meu colchão

Solitário
Frio
Frígido

E nem pensem que é ladainha
Que é medo de deixar sozinha
Medo dela escapar

Se o que escapuliu foi seu sol
Que só arde na rua
E esfria feito grua
Quando nua no meu penar

É mais um grito que está engasgado
Quando você pensa que pode enganar

Eu sinto um bocado de ódio
Por não ver
Que e vida girou
E agora eu estou no mesmo lugar
Que o outro estava há cinco anos

Eu sou o futuro do pretérito
Nos seus planos.

.

(Romulo Chaul)

25 de ago de 2016

Poema



Blasfêmia

Não sou santa, nem puta
Escuta:
Eu sou um pedaço de arte enfeitada

Glorificada de pé!
(Merecida permuta)

Eu sou os pés que mendigo
Alcança
Enquanto pede proteção
Do frio e da fome

Os mesmos pés
Que o pedófilo idolatra
Depois do sermão

- A batina esconde!

Não se engane
Talvez seja mesmo santa
Vestida de Batman, Mulher Maravilha
Mil e uma cores
Feito aquarela

Talvez seja eu mesma
A santa da igreja
E aquela do Vaca Amarela

.

(Romulo Chaul)

9 de jun de 2016

Poema




Junho

É sempre de vento em polpa
Que a contramão da descoberta
Nós pega

Por acaso
Acidente
Ou entrega.

Era na minha mão
Que o objeto estava
Quando o crime aconteceu

E era com a sua,
Na minha,
Que o pecado bateu à porta

-Entra!

Não faça cerimonia
Se deite no meu divã
Vamos daqui
De volta ao Vietnam
Relembrar belos momentos seus

-E se pudesse ficava.

Assim: Na lata!

Quantas mais leis de Newton
Tenho que aguentar
Fingindo não ver sua relação
Inércia...
(Ação e Reação)

Falta mesmo é paz
Falta ar

Falta você parar de dar moral
E voltar a fingir que está tudo mil maravilhas
Mas responde a melhor de todas:

- E você, já arrumou parceiro pra dançar quadrilha?

.


(Romulo Chaul)

17 de mar de 2016

Poema




Desabafo

Não sei nem se é descaso
Desprezo ou algo assim
Não sei de onde vem
Esse relaxo
Posto de lado
O amor em mim

Sei que tá estranho

A conversa não flui
A presença incomoda
O lado certo da cama dói

Cada dia mais
Nós dois
Não mais
Nos encontramos debaixo dos lençóis

O pior é ficar no escuro
E ficar imaginado o que se passa
O que não passa
E o que já foi

Já foi?
Já?

Aqui jaz o poema que outrora se derreteu
Hoje morre de frio
A lua
A pele nua da sua tatuagem
E a cor da sua tez

Diz que é miragem essa solidão
Diz que está de passagem essa friagem
E não tarde a voltar pra casa
...

Mas trate de voltar de vez


.

(Romulo Chaul)

1 de mar de 2016

Poema




Luto

Negação:
Não te escrevo carta
Nem mais peço que retorne mensagens
Tudo que penso e quase falo
Calo
Desisto

Devoro
E de longe o poema adoece
De longe o pensamento trai
A cama, a bagunça
A invariável dúvida que fica
O lençol já era sujo
Ou quem sujou foi a ferida?

Ira:
Como ousa ir assim
Sem mais nem menos
Sem levar em conta
Planos
Momentos
Roteiro a duas mãos
(As dele)

Fotos de paisagens
Pescoço recortado
Pedaços mal enquadrados
Para não se entregar

É nele que mora seu chão

Barganha:
Peça perdão

Pela roupa de cama que insisto em não trocar
Pelo sorriso falso com que te recebo
Pelo jeito que finjo que não importa
Que finjo que tenho portas abertas
Pra você

Peça perdão pelo grão de nesga que fico feliz em ter

Tristeza:
Já se pôs a mesa
E serve todo dia de café-da-manhã!
Com hífen
E exclamação

Bebo, nada de leve
Sem receio

Dor de cabeça e desidratação
Advil

Há de vir
Em uma semana
Meia hora dessa desforra
Que insisto em permitir

Aceitação:
Na hora da verdade
Perceber
Que não mais
Sinto falta de você

No lado certo do colchão.

.

(Romulo Chaul)

2 de fev de 2016

Poema




Redenção

Num clima cinza, numa tarde de lamentos
Relembro, com muito peso
Que há pouco tempo
Nem tinha motivos pra te clamar

Sua língua não mais ardia no meu calcanhar
Fui dar a cara a tapa no chão

Você que roeu mais do que meus apelos
Que vomitou centenas de beijos
E desviou dos mais sinceros olhares
Hoje vê o passado com aflição

Quem deixou passar?
Quem tomou de assalto
O nó da orelha
Do embargo proposto
Em vão?

E todavia, eu
Alheio ao carnaval
(Que folia!)
Via motivos pra duvidar da memória

Eu sempre fui assim:
Meio que o vilão da história

.


(Romulo Chaul)